Médicos afirmam: tirar cera do ouvido faz mal à saúde

4 dez 2017

Sabemos que a cera de ouvido é nojenta e que limpar nossas queridas orelhas com hastes de algodão é tão satisfatório quanto ver aqueles vídeos abomináveis de espinhas e cravos sendo espremidos.
Mas talvez você fique surpreso ao saber que essa cera tem um motivo para estar ali e que (quase) nunca deve ser retirada.
“A cera funciona como uma proteção para o ouvido. Ela bloqueia a entrada de bactérias que podem causar infecções”, explica Ricardo Dolci, otorrinolaringologista da Clínica Dolci em São Paulo e professor da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.
De acordo com o médico, nosso ouvido é parecido com a boca e está cheio de bactérias boas e ruins. “Se você fizer gargarejo todo dia, acaba eliminando as bactérias benéficas para o organismo e facilita infecções. Tirar a cera do ouvido é a mesma coisa. Você elimina toda a proteção do corpo e ainda pode se machucar fazendo isso.”
O corpo tem um mecanismo que empurra essa cera para fora, fazendo uma limpeza natural. “É como se fosse uma espiral, que vai jogando o excesso para fora do organismo”, explica o otorrino. Quando colocamos hastes com algodão para fazer limpeza, podemos acabar empurrando a cera para a parte mais interna do ouvido, acumulando-a justamente onde é produzida. “Isso piora a audição, causa zumbidos, dores e, se você machucar seu ouvido, pode causar até infecções. Sem falar nas possíveis perfurações da membrana timpânica”, diz Dolci.
Segundo ele, o ideal é não tirar a cera. “Tomou banho? Enrole a toalha no dedo e só passe na parte externa do ouvido.”
Claro, existem pessoas que produzem grandes quantidades de cera e têm que ir ao consultório a cada seis meses para fazer a limpeza. Mas, acredite, você vai saber se é uma dessas pessoas.
Portanto, da próxima vez que for tirar aquela coisa amarela nojenta de seu ouvido, lembre-se que você está deixando entrar coisas ainda mais nojentas em seu corpo.

UOL

[related_post]