Justiça multa governo e manda Estado e Dnocs cuidarem de barragens.

9 ago 2017

O governo do Estado, a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (Aesa) e o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) terão que garantir a segurança nas barragens que integram o curso da transposição. A decisão foi proferida nesta terça-feira (8) pelo juiz federal Rodrigo Maia da Fonte. Sem enviar representante, apesar de notificado, o Estado ainda foi multado em R$ 20 mil. No alvo das preocupações da Procuradoria da República estão as barragens de Poções, administrada pelo Dnocs, e Camalaú, cuja responsabilidade está a cargo do governo da Paraíba. Representantes de cada um dos órgãos foram convocados para audiência de conciliação pela Justiça.

Pelo que ficou arbitrado na reunião, caberá ao Dnocs a elaboração de um plano de segurança de barragens para Camalaú até dezembro de 2018. Se antes deste prazo, a barragem entrar em operação, a entrega do plano deverá ser antecipada. Durante todo este período, o órgão fica obrigado a elaborar trimestralmente relatórios de inspeção no manancial. Além disso, terá que “adotar as medidas técnicas adequadas para execução da tomada de água complementar, os rasgos dos açudes de Poções e Camalaú, em até seis meses. Se por algum motivo o prazo não for cumprido, o Ministério Público Federal deve se comunicado com a apresentação das justificativas”, diz a decisão.

Ao Dnocs, o juiz determinou ainda que seja feito o alerta ao Ministério da Integração Nacional sobre a necessidade de incluir a elaboração do Plano de Segurança na Lei Orçamentária Anual (LOA) do governo federal. Determinação semelhante foi apresentada em relação ao Estado, que não esteve representado na audiência. Foi exigida a elaboração do plano de segurança de barragem em relação a Camalaú até dezembro de 2018. Neste período, o órgão será obrigado a fornecer relatórios de inspeções trimestrais no manancial. Caso entenda não ser necessária a proposta do MPF, deverá apresentar justificativa das razões ao órgão.

Para a Aesa, segundo a decisão do juiz, caberá analisar os planos de segurança de barragem apresentados pelo Estado e pelo Dnocs. Por fim, o magistrado decidiu que caso no período de defesa o Estado decida atender o acordo, a multa aplicada será revogada. O Ministério Público Federal vem cobrando ações para a garantia da segurança nos mananciais desde os primeiros meses deste ano. Um inquérito civil público foi aberto justamente para cobrar medidas de segurança dos órgãos responsáveis pela transposição. Desde a liberação das águas, pelo menos três incidentes relacionados a rompimentos foram registrados no curso da transposição.

Jornal da paraiba

Ignorando o apelo de homens e mulheres aprovados em concurso público de 2014, o governador
A boa avaliação do Governo Ricardo Coutinho não vem se traduzindo em resultados práticos quando
Um grupo com cerca de vinte homens explodiu uma agência bancária e tentou invadir uma
A deputada estadual Daniela Ribeiro (PP) defendeu, nesta terça-feira (08), a união das oposições nas
A Globo marcou para o próximo mês o início das gravações de “Onde Nascem os
O tiro que atingiu a cabeça da jovem Luanna Alverga, de 20 anos, em João
Delegada Tatiana Matos explica que crimes foram motivados pela disputa do domínio do tráfico  
Uma mulher, moradora de Campina Grande, conseguiu alimentar pelo menos 400 bebês prematuros que nasceram
Bandidos armados explodiram o caixa eletrônico da Agência do Bradesco, na madrugada deste sábado (5).