Em meio a alta no desemprego no Brasil, Paraíba mantém taxa estável

17 maio 2019

O desemprego cresceu em 14 das 27 unidades da federação no 1º trimestre, na comparação com o trimestre anterior, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos demais estados, houve estabilidade.

taxa de desemprego média no país nos 3 primeiros meses do ano subiu para 12,7%, conforme já divulgado anteriormente pelo órgão.

Segundo o IBGE, as maiores taxas de desemprego foram observadas no Amapá (20,2%), Bahia (18,3%) e Acre (18,0%), e a menores, em Santa Catarina (7,2%), Rio Grande do Sul (8,0%) e Paraná e Rondônia (ambos com 8,9%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, as taxas ficaram em 13,5% e 15,3%, respectivamente.

O desemprego no trimestre encerrado em março é o maior desde o trimestre terminado em maio de 2018. São 13,4 milhões de desempregados no país, ante um universo de 12,1 milhões no último trimestre do ano passado.

Na comparação com o 4º trimestre, as maiores variações foram registradas no Acre 4,9 pontos percentuais (p.p.), Goiás (2,5 p.p) e Mato Grosso do Sul (2,5 p.p).

“O destaque no trimestre é SP e MG, que têm taxas bastante elevadas para estados fortes economicamente, com indústria forte e grande peso na economia do país. E que causam o chamado efeito farol. Ou seja, o que acontece lá, em termos de desocupação se reflete no restante do país. E agora, fica a expectativa de comportamento para o segundo trimestre”, afirmou o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

O coordenador do IBGE destacou ainda que houve um aumento no país inteiro do trabalho por conta própria, que reuniu 23,8 milhões de brasileiros no 1º trimestre.

“O trabalho por conta própria aumentou em 11 estados, em especial Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. O pequeno empregador, o vendedor de quentinhas que chama alguém para ajudar, é o que cresce. O que mais aumenta é o comércio, o transporte ( motorista de aplicativo). Ou seja, a situação só está boa para grupamentos que são aderentes à informalidade”, disse Azeredo.

Já entre os 4,8 de desalentados (pessoas que desistiram de procurar trabalho), 60% estão no Nordeste, com destaque para Bahia (768 mil pessoas) e Maranhão (561 mil).

Veja a taxa de desemprego por unidade da federação:

  • Amapá: 20,2%
  • Bahia: 18,3%
  • Acre: 18%
  • Maranhão: 16,3%
  • Pernambuco: 16,1%
  • Alagoas: 16%
  • Amazonas: 15,9%
  • Sergipe: 15,5%
  • Rio de Janeiro: 15,3%
  • Roraima: 15%
  • Distrito Federal: 14,1%
  • Rio Grande do Norte: 13,8%
  • São Paulo: 13,5%
  • Piauí: 12,7%
  • Tocantins: 12,3%
  • Espírito Santo: 12,1%
  • Pará: 11,5%
  • Ceará: 11,4%
  • Minas Gerais: 11,2%
  • Paraíba: 11,1%
  • Goiás: 10,7%
  • Mato Grosso do Sul: 9,5%
  • Mato Grosso: 9,1%
  • Paraná: 8,9%
  • Rondônia: 8,9%
  • Rio Grande do Sul: 8%
  • Santa Catarina: 7,2%

 

* Colaborou Alba Valéria Mendonça, do G1 no Rio de Janeiro

G1

[related_post]